terça-feira, 21 de outubro de 2008

TESTEMUNHO RONNY VITORELI


Sempre fui uma criança curiosa. Sempre achei interessantes, as coisas espirituais e invisíveis.
Lembro-me com clareza meus pais e eu freqüentando a igreja católica pelos domingos de manhã e algumas vezes também visitando a terreiros de macumba e candomblé.
Eu tenho um tio muito precioso para mim que era (e ainda é) muito envolvido com o espiritismo e isso para mim parecia perfeito aos meus propósitos de adentrar no “sobrenatural”.
Certo dia eu disse ao meu tio que gostaria de me desenvolver no espiritismo, o que ele por diversas vezes me aconselhou a não fazer, pois eu era novo e poderia me arrepender no futuro. Bendito seja meu tio e que a salvação chegue à sua casa, pois não poderia ter recebido um conselho melhor naquela ocasião.
Mas mesmo assim eu insisti e ele concordou em fazer alguns rituais comigo naqueles dias, lembro-me que havia pólvora no chão com alguns sinais e figuras geométricas desenhadas e que eu ficava dentro enquanto a pólvora era acesa.
Tentei de todas as formas me “desenvolver” no espiritismo, mas parecia que nada “dava certo”, ahahahah
Havia uma fome por Deus em meu coração e nada, absolutamente nada podia preencher, eu era tão jovem, mas tão desesperado por conhecer a Deus.
No inverno de 1993 eu estava no portão da casa de um amigo meu que tinha por apelido bola, seu nome é Paulo, e no meio de um cigarro e outro vi algumas pessoas chegando com violão e com uma saudação engraçada. Pensei comigo mesmo: esses caras são loucos ou estão querendo chamar a atenção demais, devem estar carentes - pensei.
Meu amigo me convidou a entrar e como estava muito frio naquela noite achei que não haveria problema se fizesse isso.

Tudo começou ali........

Sentei-me no chão da sala e como um peixe fora da lagoa comecei a observar tudo aquilo com um pseudo-respeito e com vontade de saber até onde aquilo iria me levar.
Eles começaram a falar umas línguas estranhas e de repente todo mundo entrou numa espécie de transe e tudo ficou mais estranho ainda.
Pensei: Se era o sobrenatural que estou procurando, não preciso procurar mais. Eles falam uma linguagem maluca, falam que são profetas e ainda por cima são simpáticos e misteriosos ao mesmo tempo.
Conforme fui me afundando nesse grupo mais eu percebia que eles eram especiais e comecei a amá-los de todo meu coração. Passava a maior parte do tempo com eles e minha vida passou a se desenvolver tendo como base minha vida “religiosa”.
Quero lembrar que respeito todas as pessoas que fizeram parte dessa história, mas creio ser importante o relato fiel para que o nome do Senhor Jesus seja exaltado.
Com todo respeito que tenho a todas as pessoas que participaram daquele grupo nessa época, terei que usar um termo muito forte para classificar o que acontecia naquelas reuniões. Não quero ofender a ninguém, mas hoje eu sei que éramos um tipo de seita religiosa que tem alguns flashs de verdades, mas no fundo estava recheada com mentiras e falsos ensinamentos.
Nós bebíamos bebidas alcoólicas, fumávamos cigarros e também não havia nenhum problema em usar alguns tipos de drogas. Eu mesmo já agradeci a Deus pela maconha e pelo sexo fora do casamento.
Não tínhamos princípios de família e tampouco bases bíblicas para fundamentar nossas práticas.
Muitos casais se encontravam em situações terríveis e isso tudo era considerado plano de Deus. Algumas coisas nós fazíamos e permitíamos. Por mais que eu reconheça que de alguma forma poderia abençoar alguém se contasse na integra tudo o que acontecia, prefiro apenas dizer que tenho vergonha de ter um dia ensinado e praticado tudo aquilo que vivi naqueles dias.
Não me envergonho das pessoas que estavam comigo, pois todas eram preciosas e por incrível que pareça sinceras em sua “fé”. Elas estavam enganadas como eu também estava.
Mas quero deixar bem claro que minha fome era por Deus e por sua presença. Eu queria e esperava diariamente ter uma experiência com o Espírito Santo. Eu não pensava em outra coisa, eu estava procurando pelo Senhor, não por uma religião, eu queria viver no sobrenatural de Deus.
Um ano ou mais depois de eu ter ingressado nesse grupo os líderes haviam marcado uma vigília e diziam que passaríamos a noite toda com “Deus”.
Eu cri ahahahahahahah!!!!!!

Antes de entrar para a vigília eu acendi um marlboro (cigarro) e tomei um café forte. Eu havia feito um exame e havia confirmado que eu tinha gastrite e que por isso as dores no estomago eram constantes. (inclusive no dia da vigília)
Começamos a cantar algumas músicas e minha expectativa de me encontrar com Deus ia crescendo cada vez mais.
Quem começou esse grupo foi um ex-padre desviado. E quando eu digo desviado eu quero que você deixe sua imaginação fluir!heheheh
Nós cantávamos algumas músicas conhecidas de muitas igrejas. Por exemplo: Eu navegarei, no oceano do Espírito, e ali adorarei ao Deus do meu amor - Espírito Espírito, que desce como um fogo..........
No meio da madrugada, enquanto eu demonstrava minha procura por Deus, algo estranho começou a acontecer comigo.
Enquanto cantava de todo meu coração comecei a sentir algumas vibrações em meu corpo e a ouvir um som como que de eletricidade que passeava por todo meu corpo. Fiquei meio assustado, pois nunca ninguém havia me dito que essa “sensação” deveria ser esperada.
Parecia o som de algo elétrico que corria por todo meu corpo e eu podia ouvir algo como vúúúuuúúúúuuúúúúuuuúúúúuuu e mantinha uma velocidade constante.
De repente a voz da líder nos convida para uma pausa de uns quinze minutos e diz que voltaríamos em seguida.
Levantei-me e fui até o portão, ainda meio assustado, peguei um cigarro e comecei a tragar a fumaça enquanto pensava no estava acontecendo comigo.
Um mix de prazer, “receio” e excitação tomava conta do meu ser. Eu não podia explicar, mas eu queria de todo meu coração ir até o fim naquilo que estava começando a experimentar.
Tomei outro café e voltei para meu lugar naquela sala pequena e abarrotada de gente, esperando alguém puxar uma canção para que pudéssemos voltar à nossa madrugada de orações.
Quando pensava que tudo estava sobre controle e que o que havia acontecido comigo tinha sido apenas uma sensação estúpida e passageira, aquele som de eletricidade passando pelo meu corpo volta ainda mais forte e agora eu estava me sentindo mole e com uma vontade de rir irresistível. Vúúúúúúúúúúúúúúúú é a melhor maneira de expressar o que estava ouvindo. Sei que parece loucura, mas dava a impressão que era uma camada fininha que me cobria.
Penso que se os apóstolos conhecessem a eletricidade eles diriam que foi uma descarga elétrica e não um som de vento impetuoso que estava na casa.
Era uma mistura de embriagues, alegria e vergonha, pois todos estavam olhando para mim. Estava meio assustado, mas a essa altura eu já estava rolando no chão da sala totalmente embriagado e rendido a aquela experiência.
O medo não estava naquele lugar e por mais que eu estivesse fazendo algo “inédito” em minha vida, eu sabia que aquele negócio não era da Terra.
Um amigo meu que estava com uma enfermidade em seu braço, enquanto eu voltava de dar uma voltinha - deitado e gargalhando -kkkkkkkkk no chão da sala, ficou perto de mim e impus minhas mãos sobre seu braço e nem disse nada, até mesmo porque eu não estava entendendo mais nada. Eu simplesmente ria e rolava no chão, colocava as mãos nele e sentia algo como eletricidade circulando sobre meu corpo.
Fiquei naquela situação por horas e já estava ficando preocupado, pois tinha que ir embora e não sabia como iria explicar para os meus pais por que estava tão bêbado. Ahahahahah
No outro dia meu amigo me procurou dizendo que seu braço que estava enfermo havia muitos dias, naquela madrugada quando ele chegou em sua casa ele percebeu que algo como um corte estava em seu braço e que pus começou a sair e toda a dor tinha deixado seu corpo e que ele estava totalmente curado.
Eu também nunca mais tive azia nem dor em meu estomago e pude reconhecer que fora depois daquela experiência sobrenatural.
As pessoas não tocaram muito no assunto...


2 comentários:

Kelly C Araujo disse...

Olá pastor Ronny é a Kelly que conheceu no primeiro avivamento de Limeira.

Quero ouvir mais da sua históriaaaaaaa com o Senhor. Amém


Um beijo a todos da família. Com carinho, Kelly.

Davi Rocillo disse...

Ola Pastor Ronny, já tive a oportunidade de ver duas ministrações tuas na minha igreja..sou da Igreja do Pr. Salatiel e tenho um ministério de teatro independente...acabei de ler teu livro....fantástico...Deus realmente usou a vida para escrevê-lo..>Deus abençoe grandemente...